quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Bombeiro proíbe crucifixo e causa polêmica sobre o "Estado laico"

Uma ordem de serviço assinada pelo comandante do Corpo de Bombeiros de Tatuí (SP), capitão José Natalino de Camargo, causa polêmica na cidade. Ele mandou retirar todos os crucifixos e imagens de santos católicos das unidades sob seu comando. Hoje, os 11 vereadores da Câmara local assinaram moção repudiando a medida tomada pelo militar. Camargo alegou que a exibição de símbolos católicos em repartições públicas causa "constrangimento" a pessoas que professam outra fé.

Para ele, imagens e crucifixos fazem "apologia" da religião católica e contribuem para a "manutenção da falsa crença de que aquela religião seria a única detentora da benesse estatal". O capitão invocou ainda a Constituição Federal que, segundo ele, estabelece que o Estado brasileiro é laico e, portanto, a exibição dos símbolos seria ilegal e inconstitucional. A comunicação foi repassada às unidades e postos dos bombeiros sob o comando do Grupamento de Tatuí, com ordem para cumprimento imediato.
Na moção aprovada por unanimidade, os vereadores consideram que o militar usou termos desrespeitosos ao se referir aos símbolos católicos. "O ato é arbitrário, com expressões equivocadas, desrespeitosas e imprudentes sobre a religião católica, refletindo total falta de sensibilidade", diz a nota da Câmara.
De acordo com os vereadores, a ordem de serviço fere o livre direito de professar a fé, também defendido pela Constituição. O comando regional da Polícia Militar (PM), ao qual se subordinam os bombeiros, não se manifestou a respeito. O pároco de Tatuí, padre Milton de Campos Rocha, estava em viagem e não foi localizado.

Obs: faltou mencionar na matéria se o bombeiro professa algum culto religioso.
A tolerância religiosa sempre foi uma particularidade de nossa população que nunca se incomodou muito com esses  detalhes de símbolos religiosos em repartições públicas.No entanto, segundo a Lei, realmente o correto é que em escolas, hospitais públicos, praças e etc não haja manifestações explícitas e homologadas pelas autoridades competentes de símbolos religiosos.
 Ex: Os orixás que fazem parte da paisagem da Baía de todos os Santos, em Salvador, entre outras estátuas vistas pelo Brasil afora como as de Yemanjá, e também os Cristos Redentores espalhados também por diversas cidades não estão corretos segundo reza a Lei, pois em sua maioria foram patrocinados com o dinheiro público. 





Um comentário:

Anônimo disse...

O Estado é laico, mas não é laicista.

Nas notas de Real está escrito a frase "Deus seja Louvado".

O Estado é parte de uma sociedade religiosa, não Laica.
Mas de uma religiosidade múltipla, por isso torna-se necessário sua laicidade, sem, no entanto, torná-lo laicista.