quarta-feira, 6 de abril de 2011

Vôlei: Atleta homossexual sofre com homofobia e clube aciona o STJD


O caso de homofobia na Superliga Masculina de Vôlei, na última sexta-feira, promete mais capítulos durante a semana. Na partida entre Sada/Cruzeiro-MG e Vôlei Futuro-SP, realizada em Contagem (MG), o meio de rede Michael, da equipe paulista, sofreu com gritos de "bicha" da torcida adversária durante toda a partida, vencida pelos mineiros.
"Sou gay. Todo mundo aqui sabe quem eu sou. Eles me respeitam totalmente no time. Não só aqui, mas nos 10 anos em que joguei no São Bernardo. Todos os times me trataram bem. Já tinha acontecido casos isolados de algumas pessoas gritarem pelo clima do jogo. Mas nem escuto. Só que lá (em Contagem) foi um coro: senhoras, mulheres, crianças gritando, já em um clima preconceituoso mesmo. Realmente fiquei assustado com a situação e resolvi falar para que isso não acontece mais, não só comigo", disse o jogador ao site Globoesporte.com.
Além disso, o time de Araçatuba criticou o esquema de segurança da partida (chegando a citar um caso de alcoolismo), o repasse de ingressos ao time visitante, a lotação do ginásio e o número insuficiente de policiais.
De acordo com a nota divulgada pelo Vôlei Futuro, "a torcida do Sada Cruzeiro atuou de maneira feroz e preconceituosa, mostrando ódio, aversão e discriminação a um dos atletas do Vôlei Futuro, deixando claro o manifesto de homofobia dentro do Ginásio. O coro era de forma organizada, crianças, homens e mulheres se juntaram para cometer o tremendo desrespeito e discriminação com o atleta Michael".
No final do comunicado, a equipe do interior paulista confirmou ter enviado ao STJD (Supremo Tribunal de Justiça Desportiva) e à CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) um relatório com as ocorrências.
Poucas horas depois, o Cruzeiro, também de forma oficial, emitiu uma nota repudiando a "nítida manobra no sentido de intimidar a nossa equipe e nossa torcida no jogo de volta, em Araçatuba, no próximo sábado".
Além disso, a equipe celeste contra-atacou que os jogadores adversários (Como Mário Júnior, Vissotto e o próprio Michael) atenderam, ao final da partida, ao público local dando autógrafos, e que a parte destinada aos visitantes no ginásio foi atendida e, inclusive, escolhida por eles próprios. Por fim, avisou que acionará a Justiça caso haja algum ato de violência no segundo duelo.
"Adiantamos nesta oportunidade que a diretoria do Vôlei Futuro será responsabilizada e acionada nos competentes tribunais, caso haja algum ato de vandalismo contra a delegação do Sada/Cruzeiro, em virtude do clima que se pretende criar com tais denúncias infundadas. Desde já cumpre-nos informar que o departamento jurídico do Sada Cruzeiro já está trabalhando no sentido de tomar as devidas providências".
Apesar do clima de 'guerra', a segunda partida dos playoffs será realizada no próximo sábado em Araçatuba. Na primeira fase, o Cruzeiro - que terminou no terceiro posto - levou a melhor nos dois confrontos.

Obs: gritar nomes do tipo: " macaco ou  viado" tem o mesmo peso para uma ação na Justiça. Cuidado ao ir aos estádios e ginásios, se você tem esse tipo de comportamento, pois as câmeras estão por todo o lado e você pode ser pego e enquadrado judicialmente.

Nenhum comentário: