terça-feira, 7 de junho de 2011

Dilma já acertou demissão com Palocci

Arquivamento das denúncias deu fôlego ao ministro, mas pela manhã ele disse que era melhor deixar o cargo

Presidente agora vai avaliar a repercussão da decisão do procurador-geral, mas saída ainda é considerada provável



NATUZA NERY
CATIA SEABRA
VALDO CRUZ 
DE BRASÍLIA  Folha de São Paulo



A presidente Dilma e o chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, chegaram a acertar ontem os termos de uma carta de demissão do ministro, mas a decisão final depende do impacto do arquivamento do pedido de abertura de investigação na Procuradoria-Geral da República.
Com isso, Palocci ganhou uma sobrevida no cargo, embora interlocutores da presidente avaliem como mais provável a saída do ministro.
Enquanto Dilma discutia o futuro político de seu principal colaborador, a Comissão de Ética Pública da Presidência decidia pedir ao ministro a lista de todos os clientes de sua consultoria, a Projeto.
A pedido do governo, a Comissão de Ética Pública não tornou público o pedido de informações a Palocci. Segundo a Folhaapurou, a comissão solicitará isso num documento reservado.
Mas Palocci se recusa a divulgar o nome de seus clientes, alegando cláusula de confidencialidade.
O pedido de demissão do ministro foi discutido, na manhã de ontem, numa reunião entre os dois. Palocci disse que era melhor deixar o governo. Dilma ficou de analisar e dar uma resposta.
Ontem à noite, porém, ao ser informada da decisão do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, Dilma comemorou e, segundo assessores, considerou uma importante vitória. A partir dali, a presidente passou a refletir sobre sua decisão, que ficou de tomar hoje.
Palocci, por sua vez, disparou telefonemas para aliados agradecendo ao apoio e considerando como encerrada a crise política.
Além de petistas, a quem pediu união para enfrentar a oposição, Palocci entrou em contato com peemedebistas, como o vice-presidente, Michel Temer, e o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). O gesto de procurar líderes políticos foi visto como tentativa de se manter no cargo.
Segundo assessores de Dilma, a decisão da Procuradoria pode funcionar como uma "saída honrosa" para Palocci, que deixaria o governo afirmando que recebeu uma certidão de "nada consta" do procurador.

MUDANÇA
Dilma está decidida a fazer uma minirreforma administrativa no Planalto.
Ela avaliou que é preciso dar um caráter mais técnico à Casa Civil e devolver a articulação política à Secretaria de Relações Institucionais.
Isso porque a presidente aponta duas origens para a crise: uma é o caso Palocci, e a outra, a desarticulação política com a base.

Nenhum comentário: