domingo, 26 de junho de 2011

Marta contraria Dilma sobre kit anti-homofobia e diz que vai alterar o PL 122

Em coletiva que antecedeu o início da 15ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) contrariou a posição da presidente Dilma Rousseff sobre o conteúdo dos kits anti-homofobia.

O material preparado pelo Ministério da Educação estava pronto para ser distribuído nas escolas públicas do pais, mas foi suspenso sobre o argumento de que o seu conteúdo teria que ser alterado. Para Marta, o conteúdo dos kits não era inadequado, e sim a forma pela qual o material foi apresentado à sociedade. “Os kits foram totalmente mal entendidos, aquilo tem que ser repensado, como lançar, como trabalhar. Foi um processo mal encaminhado. A parte que eu vi [do conteúdo] não precisava ser mudada, o que precisa mudar é a forma de encaminhar a questão”, disse a ex-prefeita de São Paulo. Logo após a suspensão, em maio, a presidente Dilma afirmou que os kits faziam propaganda de uma opção sexual, em vez de combater a homofobia.
Na mesma coletiva, a senadora Marta Suplicy afirmou que pretende alterar o projeto de lei 122, que criminaliza a homofobia. Segundo ela, a principal alteração será mudar o nome e o número do projeto, e não o conteúdo. “Já temos um conteúdo acordado [com a maior parte da bancada evangélica], o problema maior agora, depois de eles [os contrários ao projeto] demonizarem a proposta por 10 anos, é como agir e dizer aos fieis a favor do projeto PL 122. Vários setores têm seu preconceito baseado no 122”, disse.
Com relação ao texto do projeto, Marta afirmou que a maior mudança será no artigo 20. Com a nova proposta será considerado criminoso quem induzir crimes contra homossexuais. “Nós conseguimos um meio termo”, disse a senadora.
Também presentes na coletiva, o prefeito Gilberto Kassab e o governador Geraldo Alckmin defenderam a criminalização da homofobia. “A maior parte da população brasileira é a favor do projeto” disse o prefeito. Já Alckmin defendeu a medida e citou a legislação estadual de São Paulo, que criminaliza a homofobia desde 2001.
Contra o fundamentalismo
A cerimônia de abertura da parada gay se transformou em um palanque contra religiosos fundamentalistas que se opõe aos direitos defendidos pela causa gay. “Temos respeitado todas as religiões. Não queremos destruir a família de ninguém, apenas construir a nossa”, disse Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.
UOL

Nenhum comentário: