terça-feira, 19 de julho de 2011

Brasileiro não conhece os sintomas da pneumonia

Doença do pulmão tem características parecidas com as da gripe, o que provoca confusão na população. Quando não é tratada, pode se agravar e levar à morte


Quatro em cada dez brasileiros não sabem quais são os sintomas da pneumonia. O dado faz parte da pesquisa ‘Saúde respiratória e do pulmão’, da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT). O resultado preocupa a classe médica, já que a doença, se não tratada, se agrava e pode levar à morte.

Se por um lado, a conclusão do estudo mostra que o brasileiro não conhece bem o mal, 67% dos entrevistados acertaram ao relacionar a doença ao frio. Em baixas temperaturas, há mais aglomerações e isso ajuda a disseminação de bactérias e vírus, deixando as pessoas mais susceptíveis a gripes e resfriados, que, por sua vez, enfraquecem as defesas do organismo, abrindo as portas para a bactéria que causa o tipo mais comum de pneumonia, a estreptococos pneumonia.
Clique na imagem 
Segundo Fernando Lundgren, pneumologista e diretor da SBPT, a pneumonia tem sintomas parecidos com os da gripe, e isso leva as pessoas a não atentarem para a gravidade do caso. “Tosse, febre e catarro aparecem em ambos casos. Mas se a temperatura alta não cessar em até 4 dias é sinal de que as defesas do organismos estão baixas, aumentando a chance desta pessoa pegar pneumonia”, afirma. 

Mas, apesar de os sintomas gerais serem parecidos, três sinais podem indicar com mais precisão a doença. “Falta de ar, dor no peito ao respirar e, especialmente em idosos, confusão mental indicam início de pneumonia e a hora de procurar um pneumologista”, recomenda.

Tratamento gratuito contra alergia 

Segundo o coordenador técnico do projeto social Brasil Sem Alergia, Marcello Bossois, toda a população deve estar atenta às alergias frequentes no inverno. “Rinite e asma podem se transformar em pneumonia”, afirma ele. 


Crianças e idosos: mais vulneráveis

A falta de conhecimento do brasileiro sobre a pneumonia é mais preocupante quando se olha para crianças, transplantados, doentes crônicos e idosos, que têm mais risco de ter a doença por conta do sistema imunológico frágil. 

“Embora se deva ter atenção aos grupos de risco, qualquer paciente de pneumonia pode ter complicações, como falha no pulmão levando à insuficiência respiratória, crescimento da bactéria, podendo provocar infecção generalizada, e derrame de líquido na pleura. É uma doença sempre grave”, alerta Fernando Lundgren. 

A prevenção é essencial: a vacina anual da gripe é forte aliada contra a pneumonia, além de já existir imunizante contra a própria doença. Evitar aglomerações e ter alimentação saudável também ajudam.
Ciência e Saúde - o Dia

Nenhum comentário: