sábado, 10 de março de 2012

Campos: ônibus voltam a circular depois de transtornos por mais uma paralisação

A greve dos rodoviários em Campos chegou ao fim para 14 empresas. A decisão foi tomada após o resultado de uma audiência pública no Ministério público do Trabalho, que resultou em uma assembleia da categoria em praça pública. Com a paralisação iniciada as 0h desta sexta-feira, milhares de pessoas foram prejudicadas. A categoria reclama de atraso de salários e más condições de trabalho.

Todos os 3 mil rodoviários das 14 empresas de ônibus de Campos decidiram parar pela segunda vez em menos de dois meses. Os salários de fevereiro não foram pagos e não é só esse o motivo da insatisfação.

Na reunião que foi realizada hoje no Ministério Público do Trabalho foi assinado um  Termo de Ajustamento de Conduta entre empresários, representantes da prefeitura e do sindicato da classe. A prefeita Rosinha Garotinho não compareceu, mesmo tendo sido convidada na audiência anterior.  O presidente da Empresa Municipal de Transporte (Emut) aceitou a fazer o pagamento integral dos repasses do Programa Campos Cidadão a partir de abril e voltou a afirmar que não há pagamanto atrasado por parte da prefeitura. O recurso referente a março, segundo ele, já teve a primeira parcela depositada no último dia sete.

Grande parte dos trabalhadores aceitou o acordo, no entanto funcionários das empresas Tamandaré e Rogil ficaram de fora, mas, no início da noite ônibus da Tamandaré foram vistos circulando normalmente. As empresas alegam que já  depositaram os salários atrasados, mas os trabalhadores afirmam que o dinheiro não está na conta.

O Terminal Rodoviário Urbano Luiz Carlos Prestes esteve vazio durante grande parte do dia, já que os coletivos não voltaram enquanto o resultado da reunião no MPT não saía. A doméstica Carla Almeida, de 32 anos, moradora do Parque Cidade Luz, em Guarus, chegou tarde no emprego, no bairro do Turfe Clube, devido à falta do coletivo. As vans não conseguiram suprir a demanda de mais de 300 mil usuários do transporte público no município.

— Mais uma vez estamos sendo feitos de palhaços. Poderiam ter avisado dessa paralisação, para que a gente se preparasse, acordando mais cedo. Espero que o problema seja resolvido, pois é nosso direito sermos contemplados com o transporte público — declarou a doméstica.

Já a dona de casa, Adelaide Moreira, de 42 anos, defendeu a paralisação, pois os trabalhadores estão defendendo seus direitos e reclamou que as vans não estava conseguindo atender a todos.“A população perde, mas os funcionários estão corretos. Eles precisam receber o que reivindicam, para o bem de todos. Nas vans há poucos lugares em comparação aos ônibus, por isso os pontos estão lotados. Todos estão sendo prejudicados”, disse.

Matéria extraída da Folha da Manhã

Nenhum comentário: