segunda-feira, 7 de maio de 2012

Cabral tenta evitar depoimento na CPI do Cachoeira


O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), procurou a cúpula do seu partido em busca de apoio para evitar que seja convocado a prestar esclarecimento à CPI do Cachoeira sobre suas relações com a construtora Delta, um dos alvos da comissão.
Dois requerimentos foram apresentados à CPI pedindo a convocação de Cabral depois da divulgação de fotos e vídeos em que ele aparece ao lado do dono da empresa, Fernando Cavendish, em Paris e Monte Carlo.
A Delta entrou na mira da CPI porque investigações da Polícia Federal mostraram ligações entre ela e o empresário Carlinhos Cachoeira, preso sob a acusação de explorar jogos ilegais e comandar um esquema de corrupção.
Rafael Andrade - 23.dez.11/Folhapress
Cabral pode ser chamado a depor na CPI devido ao crescimento da Delta no Rio e sua relação de amizade com o dono da empresa
Cabral pode ter de depor na CPI devido ao crescimento da Delta no Rio e sua relação com o dono da empresa
Os requerimentos que pedem a convocação de Cabral devem ser votados no dia 17 e podem ganhar força se a Procuradoria-Geral da República abrir investigação sobre o governador e a Delta.
O blog do jornalista Josias de Souza informou ontem que o procurador Roberto Gurgel fará uma análise preliminar dos negócios do governo com a construtora.
Segundo o blog, Gurgel também decidiu pedir ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) que investigue o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), que também manteve relações com Cachoeira nos últimos anos, segundo a PF.
Folha apurou que o governador do Rio procurou o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), além de membros do PSDB, partido ao qual foi filiado anteriormente.
A assessoria de imprensa de Cabral afirmou à Folha que o governador "mantém diálogo com lideranças nacionais e regionais do PMDB", mas não quis fazer comentários sobre o teor de suas conversas mais recentes.
O movimento de Cabral surtiu efeitos ontem. "Não é uma CPI social para investigar jantar de governador", disse o líder do PMDB na Câmara, Henrique Alves (RN).
"Você acha que deve se convocar um governador só porque foi a Paris? Tem gravações dele com Cachoeira? Também não há nada contra o Cavendish", afirmou o deputado Candido Vaccarezza (PT-SP), que dita a posição do PT na CPI.
Nesta semana a CPI vai ouvir em sessões fechadas dois procuradores e dois delegados que participaram das investigações sobre o grupo de Cachoeira. (andreza matais, erich decat e gabriela guerreiro).

Folha.com

3 comentários:

Célio disse...

Quero ver agora, este monte de político que se diz "politicamente correto" o que farão?
Essas pessoas tinham que se envergonharem de estar ao lado de Cabral..

THIAGO disse...

célio garotinho não esta isento disto, será investigado também pois o faturamento da Delta começou a crescer no seu governo e antigamente cabral era seu aliado na época do PMDB.
proximas eleições vamos excluir este 2 grupos.
lindemberg vem ai. aguardem.....

Célio disse...

Lindemberg..........este é um dos piores,hahahah.
Pelo jeito vc deve ser Petista, acorda o PT acabou...

Informação: no governo Garotinho a Delta tinha contratos de até 180 milhões, coisa normal no governo, no de Cabral os contratos chegam a quase 2 BILHÕES.