quinta-feira, 5 de julho de 2012

Justiça do ES determina intervenção na prefeitura de Presidente Kennedy


Governador deve indicar um nome para assumir a prefeitura.
Ex-prefeito foi afastado por suspeita de desvio de dinheiro público.


O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJ-ES) decretou, nesta quinta-feira (5), a intervenção do governo estadual na prefeitura de Presidente Kennedy, na região Litoral Sul do Espírito Santo, solicitada pelo Ministério Público Estadual (MP-ES). A partir da determinação, o governador Renato Casagrande é responsável por indicar um nome para assumir a administração da cidade até as próximas eleições, em outubro.
Reginaldo Quinta, ex-prefeito do município, foi afastado do mandato e está detido desde o último mês de abril por suposto envolvimento em esquema de desvio de dinheiro público. O governador informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que tem até 48 horas para escolher um interventor, que deve ser anunciado nesta sexta-feira (6).

Entenda o caso

O ex-prefeito de Presidente Kennedy, Reginaldo dos Santos Quinta, foi preso durante uma operação da Polícia Federal na manhã do dia 19 de abril pela suspeita de desviar cerca de R$ 50 milhões dos cofres públicos. Outras 27 pessoas foram detidas na operação, batizada de "Lee Oswald" (nome do assassino do ex-presidente norte-americano John Kennedy), que cumpriu 79 mandados judiciais, sendo 51 de busca e apreensão, além de 13 mandados de prisão preventiva e 15 de prisão temporária.




A Polícia Federal informou, na época, que o prefeito era líder de uma quadrilha responsável por fraudes em licitações, superfaturamentos, desvio de verbas, além de pagamentos indevidos em contratos de serviços e compra de materiais. Os recursos municipais teriam sido desviados para os membros da quadrilha.
Treze dos 28 presos foram soltos no dia 29 de abril. A cidade chegou a ficar uma semana sem comando, até a eleição de um novo presidente da Câmara de Vereadores, Jardeci de Oliveira Terra. O Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES), pediu, no entanto, que o processo de intervenção no município fosse autorizado.
G1 - ES

Nenhum comentário: