quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Makhoul: mudança precisa sair do papel

makhoul

O entrevistado de ontem no RJ Inter TV 2ª Edição foi o médico Makhoul Moussallem, candidato do PT à Prefeitura de Campos. Indagado sobre seus projetos e o fato de não ter disputado o pleito de 2008, o petista lembrou que estava cuidando de sua esposa, que faleceu no ano passado, e afirmou que as mudanças precisam sair do papel, principalmente nas áreas da Saúde e Educação. Além disso, tranquilizou a população em relação aos royalties do petróleo e reafirmou a parceria com o governador Sérgio Cabral (PMDB), a presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Lindbergh Farias (PT). “O atual governo diz que a Educação vai muito bem. Porém, a avaliação do Ideb mostra a nossa cidade em último lugar. Não adianta prever, prometer. É preciso tirar as propostas do papel, principalemente nas áreas da Saúde e Educação”, disse Makhoul, que falou em clínicas de especialidades e helicópteros para atender os pacientes dos distritos mais distantes. Sobre o risco da redistribuição dos royalties, ele se mostrou bem tranquilo. “Como petista e companheiro da presidente Dilma Rousseff quero tranquilizar os campistas e deixar claro que não iremos perder os recursos dos royalties”, frisou.

Blog do Bastos

2 comentários:

thiago caveira disse...

Makhoul é isto aí!campos está na hora de mudar pra melhor. chega de sangue sugas , de vampiros de sugam até a ultima gota. um governo de 8 BI por mandato e não faz nada e ainda tem a pior educação do estado é uma barbaridade. hospitais abandonados, vários distritos sem infraestrutura, sem sinal de telefonia móvel( já que ela não assinou a autorização da licença peida pelo Dep. Roberto Henriques). o único ponto positivo deste governo é a passagem de 1 real, mais fico me perguntando será que foram gastos exatos 75 milhões na passagem de 1 real? e os funcionários fizeram constantes greves pois estavam sem receber e as empresas alegavam que não recebiam o repasse da prefeitura. e aí? valeu a pena ou estes 75 milhões teve outros caminhos... as casas populares estão sendo construídas a um preço de aproximadamente 70 mil reais. e tem mais o concurso publico só foi pra dar uma tapada na contratação de mais de 1000 funcionários. renovação já! e já ia me esquecendo em falar do montante gasto na obra do "fede valão" que foi um absurdo.

Anônimo disse...

A prefeita, que se diz muito íntegra, alegou recentemente na mídia que os contratos na área da educação são para suprir a falta de professores licenciados. O mais intrigante que em agosto de 2011, foram realizados mais de 100 contratos somente para professor II, sem contar nas outras áreas, que este ano foram renovados. E, em 19 de junho de 2012, no D.O, a smec convocou oficialmente os novos contratados, mais de 200 professores de nível II, ao mesmo tempo da realização do concurso. Gostaria de ressaltar que os contratos tem duração de 2anos.
Ora, só ai temos mais de 300 vagas que não foram publicadas no edital do concurso público. Será que temos em Campos mais de 300 professores, de nível II, de licença médica? Dá para acreditar em tanta gente doente ao mesmo tempo? Ou a prefeita prioriza o contrato para angariar votos? Será que as pessoas que passaram no concurso não estão sendo prejudicadas?
O mais engraçado de tudo, é que no dia 08 de maio de 2012, foi publicado no D.O do município, a lei n° 8294, de 13 de abril de 2012, visando preencher 300 vagas para professor II em regime estatutário. Será que a prefeita está cumprindo as leis?
E o pior, se a população solicita o MP, ele não responde.
Vamos dar um basta nesta política assistencialista, pois uma cidade não caminha apenas com asfalto e reforma de praças. O que será da cidade sem educação e saúde?
Por favor, responda de alguma forma a este apelo.