quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Dilma, Lula, Sérgio Cabral, ministra da Cultura e políticos homenageiam Niemeyer; veja as mensagens

Minutos após o anúncio da morte do arquiteto Oscar Niemeyer, vítima de uma infecção respiratória, a presidente Dilma Rousseff emitiu uma nota de pesar pela morte dele. "O Brasil perdeu hoje um dos seus gênios. É dia de chorar sua morte. É dia de saudar sua vida", afirma o texto, assinado pela mandatário.

"Poucos sonharam tão intensamente e fizeram tantas coisas acontecer como ele. A sua história não cabe nas pranchetas. Niemeyer foi um revolucionário, o mentor de uma nova arquitetura, bonita, lógica e, como ele mesmo definia, inventiva. Da sinuosidade da curva, Niemeyer desenhou casas, palácios e cidades. Das injustiças do mundo, ele sonhou uma sociedade igualitária", diz a nota da Presidência.
Minutos após o anúncio da morte do arquiteto Oscar Niemeyer, vítima de uma infecção respiratória, a presidente Dilma Rousseff emitiu uma nota de pesar pela morte dele. "O Brasil perdeu hoje um dos seus gênios. É dia de chorar sua morte. É dia de saudar sua vida", afirma o texto, assinado pela mandatário.

"Poucos sonharam tão intensamente e fizeram tantas coisas acontecer como ele. A sua história não cabe nas pranchetas. Niemeyer foi um revolucionário, o mentor de uma nova arquitetura, bonita, lógica e, como ele mesmo definia, inventiva. Da sinuosidade da curva, Niemeyer desenhou casas, palácios e cidades. Das injustiças do mundo, ele sonhou uma sociedade igualitária", diz a nota da Presidência.

“Juntamo-nos a todo o Brasil no luto pela morte do arquiteto Oscar Niemeyer. (...) A monumental Brasília, onde deixou a marca de sua arte e concentrou seus sonhos de uma cidade que pudesse abrigar com carinho e conforto pobres e ricos, homens comuns e poderosos, será sempre a expressão máxima de sua genialidade e de sua generosidade", diz o comunicado, assinado também pela mulher de Lula,Marisa Letícia.
O presidente do Senado, José Sarney(PMDB-AP), em nota, qualificou o arquiteto de “personagem extraordinário, pessoa excepcional, e destacou a “coerência” de Niemeyer na arte e na política.

“Oscar Niemeyer marca um tempo da história do Brasil. Oscar foi o maior artista brasileiro, um personagem extraordinário, uma pessoa humana excepcional. Sua personalidade tem duas faces principais. A primeira é a sua coerência de artista, com uma obra que se afirmou na beleza, na busca constante do que ele chamava de invenção. (...)

O outro aspecto foi sua coerência humana. Jovem ainda, optou por se dedicar ao socialismo, a mais generosa das opções da história da política. Foi comunista, enquanto existiu o Partido Comunista; continuou comunista, depois que desapareceu o Partido Comunista. Sua crença na necessidade de uma solidariedade absoluta, sua dedicação à amizade e à vida foram uma das grandes lições de nosso tempo.”
Em nota publicada no Facebook, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou que Niemeyer foi um "gênio da arquitetura mundial". "Oscar Niemeyer foi o maior arquiteto do Brasil. Um gênio da arquitetura mundial. Doce no trato, firme nas suas convicções e amado pelo povo brasileiro."
Também em nota, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, manifestou pesar pela morte do arquiteto. "Recebemos com tristeza a notícia da morte do arquiteto Oscar Niemeyer. Perdemos o homem que projetou o Brasil no mundo e desenhou as linhas do modernismo brasileiro. Nossos sentimentos à família e aos amigos."
Da França, onde cumpre agenda oficial, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, emitiu nota de pesar pela morte de Niemeyer:

 "O Brasil acaba de perder um dos seus grandes. A genialidade de seus traços, a generosidade de sua alma e a firmeza de suas convicções fazem de Oscar Niemeyer um exemplo para a humanidade. Meu coração chora ao se despedir de um gigante na arte, poesia e coragem. Um homem que viveu na plenitude cada minuto de sua vida, com lado e posição e busca da beleza, da harmonia e justiça. A cidade de São Paulo deve a ele o seu mais bonito parque: o Ibirapuera. E, o mundo, a sua grandeza."
Marco Maia (PT-RS), o presidente da Câmara dos Deputados, disse em nota que “o Brasil perde o arquiteto dos sonhos”.
O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, lamenta a morte do maior arquiteto brasileiro. “O Brasil perde o arquiteto de sonhos.

“É um orgulho trabalhar na obra preferida de Niemeyer em Brasília [o Congresso], como ele afirmara diversas vezes. Solução simples e monumental para o edifício projetado para os grandes debates nacionais, o que, de fato, acontece. Mesmo nos anos difíceis da década de 1970, exilado, Niemeyer desenhou a reforma do plenário, do prédio principal e um anexo, elo que a Câmara dos Deputados nunca perdeu e sempre respeitou. Lamentamos a morte e o fim deste contato permanente.”

Pelo Twitter, o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), afirmou que a obra de Niemeyer "atravessará os séculos. E sua consciência de que sem os peões ela não existiria também". "Niemeyer foi literalmente secular: não discriminou profano e sagrado, projeto igrejas e sedes de partidos, palácios e quadras populares. Nos sonhos de Niemeyer e Lúcio Costa, os amplos espaços de Brasília, em especial da Esplanada, deviam ser ocupados pelo povo em marcha", escreveu o deputado, em vários tweets.

O também deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) homenageou o arquiteto no Twitter. "Oscar Niemeyer riscou as curvas da nova capital em solo goiano. Goiás teve a honra de ceder um lugar de sonhos para um Brasil melhor."

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) afirmou que o Brasil está de luto. "A nação está de luto com a morte do grande brasileiro Oscar Niemeyer. Tive a honra de conhecê-lo. Meus sentimentos á família."
Roberto Requião, senador do PMDB-PR,  escreveu: "morreu Niemayer, morremos um pouco todos nós."  Para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), "morreu o mais universal na geografia e mais perene na história de todos os brasileiros."
O ex-senador Roberto Freire, presidente do PPS e ex-militante do PCB, partido a qual Niemeyer foi filiado por cinco décadas, também lamentou a morte do colega.  “Morreu o homem Oscar Niemeyer, que em vida pela sua arquitetura/arte virou imortal. Será sempre lembrado e honrado esse grande brasileiro”, disse Freire, que pertenceu a uma ala do PCB que se opunha ao grupo de Niemeyer.
“Dele guardarei sempre na memória os encontros que tivemos em seu histórico escritório no Posto Seis, em Copacabana, com o mar diante dos nossos olhos, como a nos lembrar que a vida é eterna e plena de beleza” 
O pepista disse ainda que Niemeyer "representou ou materializou uma generosidade sem fronteiras e um compromisso inabalável com os assuntos públicos. Ele amava sua gente e sua terra. Trabalhou até o fim, incansavelmente, pelo bem estar do nosso povo”.

Eleito vereador neste ano, Andrea Matarazzo (PSDB-SP), ex-secretário estadual de Cultura de São Paulo, afirmou que “Niemeyer fica eternizado nas centenas de obras de sua autoria espalhadas pelo mundo.”
O deputado federal Romário (PSB-RJ) foi mais sucinto e pediu “uma salva de palmas para Oscar Niemeyer!”.

Um comentário:

Jeferson Pereira disse...

Uma pena que o maior arquiteto brasileiro falecido dias atrás, não conheceu o maior arquiteto do universo, criador do céu, da terra e água.