quarta-feira, 26 de junho de 2013

Santo Eduardo: Creche Professor Paulo Freire recebe mais dinheiro da prefeitura para que obra seja concluída

A novela da obra da Creche Prof. Paulo Freire, em Santo Eduardo, parece não ter fim mesmo.
Acaba de sair mais um aditivo financeiro, publicado no Diário Oficial de Campos desta quarta-feira (26) para a Construtora Alas. 

O que dá pra entender é que deve ser modificado ou alterado algum item na obra, que por sinal, começou a ser feita em 2008, ainda no governo Alexandre Mocaiber, mas que não fica pronta por nada! Está lá, bem claro no D. O. que serão destinados à mesma construtora que faz também a reforma da Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida, (ALAS) mais R$ 168 mil reais, que somados com todos os investimentos públicos anteriores já beiram aos 700 mil reais para concluir esta reforma.

Enquanto isso, a população do distrito continua prejudicada, assistindo a tudo isso com indignação e perplexidade. 
VERGONHA!

Obra paralisada há tempos por "falta de recursos", talvez.


Placa informa R$ 336 mil reais para conclusão de reforma. Parece que o dinheiro não deu.

Esta é primeira placa da reforma afixada na creche, ainda no governo Mocaiber, que mostrava R$ 192 mil reais, mas a obra parou com suspeita de desvio de verbas.

EXTRATO DE 2º TERMO ADITIVO - RERRATIFICAÇÃO
CONTRATO Nº 154/2012
PROCESSO n.º 2011.034.000212-6-PR
TOMADA DE PREÇOS nº 002/2012
CONTRATADA: CONSTRUTORA ALAS LTDA
OBJETO: Alteração do projeto original, nos termos da planilha apresentada,
tendo em vista a modificação nos quantitativos e acréscimos
de serviços necessários para a Execução da obra de reforma da Creche
Escola Professor Paulo Freire - Santo Eduardo, com reflexo financeiro.
VALOR DO ADITIVO: R$ 168.386,45 (cento e sessenta e oito mil, trezentos
e oitenta e seis reais e quarenta e cinco centavos).
Campos dos Goytacazes, 27 de maio de 2013.

9 comentários:

Anônimo disse...

MANDE UM LINK DOS ANUNCIOS E DAS PLACAS PARA O TRIBUNAL DE CONTAS DO MUNICIPIO, PROCURADOR DO MINISTERIO PUBLICO, TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, ALGUEM DEVE FAZER ALGUMA COISA............

Anônimo disse...

Realmente é uma vergonha essa situação da reforma da creche em Santo Eduardo. o povo deveria chamar a imprensa, ir pra rua. Quase 700.000,00 reais é um absurdo o que está acontecendo. Um serviço essencial para a população sendo tratado dessa forma.
Marcos Cabral de Oliveira

Leo Werneck disse...

Com 700.000 reais dá pra se comprar 23 carros zeros populares. Quando a gente fala de valores é bom a gente materializar num bem de consumo, que é um sonho para a maioria da população, pra nós entendermos o quanto realmente valem essas quantias.

Mayko disse...

Da p construirbum estadio padrao fifa! Gente 700 mil reais msm? Proteste ja CQC. folha da manha, o globo e etc

Leo Werneck disse...

Quase 700 mil desde que começou as reformas, sendo que apenas neste governo foram destinados mais de 500 mil para a reforma que nunca fica pronta. Governo da mudança?

Angélica disse...

Ainda não está pronta? quando eu morava aí essa obra já tinha começado há tempos... aiai

Anônimo disse...

quando se constroi algo, é mas barato do que o que esta sendo feito na creche,derrubar para depois então construir.
respeito a opnião de todos mais anexar valores da outra gestão não ta com nada,este governo esta trabalhando sim,e com o ministerio publico na cola.
vamos fazer politica mais dentro de uma realidade...

Leo Werneck disse...

Os recursos financeiros são do município. A crítica é voltada para o que já saiu dos cofres do município para uma reforma que nunca fica pronta. A realidade mesmo é que você deve receber algum dinheiro deste governo para afirmar que tudo corre nas mil maravilhas. Se EU fosse apenas criticar esta gestão poderia até achar que o foco seria uma marcação, mas fiz questão de chamar a atenção mesmo é sobre a farra se faz por aqui com o dinheiro público.
NÃO OBSERVAMOS MUDANÇA EM NADA, APENAS OS PERSONAGENS QUE MUDARAM. ISSO QUE É TRISTE.

Leo Werneck disse...

As informações técnicas do engenheiro responsável pela obra é que as planilhas são seguidas em dia, mas quando há alguma mudança ou alteração de projetos a prefeitura repassa mais recursos e isso gera burocracia para que seja homologado, por isso as obras atrasam.