quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Campos recebe R$ 157 milhões de participação especial

Municípios produtores de petróleo recebem nesta quarta-feira os valores da participação especial (PE) do mês novembro, referentes à produção do terceiro trimestre de 2014. Campos amanhece com mais R$ 157.811.447,06 em seus cofres, repasse 3,37% superior ao do trimestre anterior. Entre royalties e PE, o município já recebeu este ano R$ 1.188.885.530,37.


Joseli Matias
Foto: Divulgação/Petrobras 


Outros municípios integrantes da Bacia de Campos também registram aumento no repasse da participação especial. São João da Barra recebe hoje R$ 31.262.034,65, valor 19,53% maior que o depósito de agosto. Para Macaé foram repassados R$ 15.014.807,84 pela exploração no segundo trimestre deste ano e em novembro o depósito é de R$ 15.447.103,46. Quissamã, entretanto, registra uma queda de 1,17% na participação especial do terceiro trimestre, quando recebe R$ 1.971.905,08.

O superintendente de Petróleo e Gás de São João da Barra, Wellington Abreu, observa que houve aumento no repasse para os municípios que possuem confrontações com os campos que registraram crescimento da produção nos últimos meses. “Campos e São João da Barra com o campo de Roncador, devido à entrada das plataformas P-55 e P-62, e Maricá, Niterói e Rio de Janeiro com o campo de Lula, no pré-sal ainda no regime de concessão”, informou Wellington.

De acordo com ele, há previsão de queda nos repasses mensais de royalties para os meses seguintes, devido à queda no preço do barril no mercado internacional, impulsionada pela estabilidade e valorização da moeda americana.

— O que mais contribuiu com a baixa dos preços da commodity foi a diminuição no valor de venda efetuado pela Arábia Saudita para os Estados Unidos. Aparentemente, tentando brigar com os preços do Óleo de Xisto recentemente em alta na terra do “Tio Sam”. Enquanto isso, os demais países da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) diminuem sua produção diária para estabilizar o preço na faixa do US$ 80. Acredito em uma retomada dos preços dentro de alguns meses para o patamar dos US$ 100, visto que a Opep já tem uma reunião marcada para o próximo dia 27 e medidas devem ser tomadas para tal — ressaltou, destacando que o pré-sal precisa de grandes investimentos e um valor baixo pode inviabilizar sua exploração.

Folha da Manhã

Nenhum comentário: