segunda-feira, 30 de julho de 2012

Alunos de Santo Eduardo ajudam a recuperar mata ciliar do Rio Itabapoana


Quase todos os alunos são filhos de agricultores
Flávia Pizelli



Sustentabilidade é um tema cada dia mais presente no dia a dia dos alunos do Patronato São José, em Santo Eduardo. Depois de participarem de concurso de frases sobre a Rio+20 e de plantio de árvores para recomposição da mata ciliar do Rio Itabapoana, eles se preparam para um evento que vai marcar a proteção de três nascentes. A atividade vai acontecer no terreno da própria instituição beneficente,  na localidade de Santo Eduardo, limite do município com o estado do Espírito Santo.

Na última semana, os alunos já haviam plantado árvores e assistido a uma palestra sobre a importância da proteção das nascentes e a campanha Água Limpa para o Rio Olímpico, do Rio Rural, que tem como meta proteger 2016 nascentes até a Olimpíada do Rio.

A unidade de ensino abriga aproximadamente 80 adolescentes de 12 a 18 anos, quase todos filhos de agricultores, e oferece cursos profissionalizantes, incluindo noções de agropecuária. Assistente social da instituição, Fernanda Degliespoti destacou a importância de trabalhar assuntos ligados à sustentabilidade, tema de uma pesquisa escolar e do concurso de frases, que premiou os alunos com kits da campanha do Rio Rural e com um incentivo em dinheiro, doado pela comunidade. “Isso foi muito importante para que eles criassem intimidade com tema e soubessem a importância das atitudes sustentáveis”, revelou.

Os primeiros colocados no concurso de frases foram Layarda de Castro Nascimento, 15 anos, aluna do nono ano do Ensino Fundamental; Eduardo da Silva Neves, 16 anos, aluno do terceiro ano do Ensino Médio; e Taís Araújo Cunha, 16 anos, da última série do Ensino Médio.

Técnico agrícola da Emater-Rio e executor do Rio Rural, que presta assistência à instituição, Alarcon de Miranda revela que os alunos, aos poucos, estão ajudando a recuperar a mata ciliar do Rio Itabapoana. “Auxiliamos o técnico do patronato no projeto de proteção da mata ciliar e os alunos gostam muito desse trabalho. Ao todo, serão 50 mil mudas plantadas à margem do Rio e o próximo passo é o trabalho que vai culminar com a proteção de nascentes, no fim do inverno ou início da primavera”, explicou.  A propriedade sede do Patronato São José tem 5,5 alqueires de terras cultivadas com café, olerícolas e frutas. Tudo é comercializado e ajuda a manter a instituição.

Ururau

Um comentário:

thiago caveira disse...

Léo um ótima iniciativa, pena que os nossos governantes não estão nem ai para o meio ambiente. e com isto o nosso ribeirão esta acabando, com a criação de peixes em poços de águas não reaproveitadas, pois o curso natural da água foi desviado para represas de peixes e a água da represa quando esgotada já que o produtor escolheu a maneira financeiramente lucrativa e despeja a água no ribeirão e por isto ela esta na cor e no volume de água que esta. nem no tempo quente se pode mais tomar banho nele pois a água esta totalmente poluída. você leo deve ser um de muitos que vieram aqui na usina tomar banho em nosso "valão do maroca" que hoje alguns se arriscam em tempos muito quente para se refrescar. fica ai minha tristeza e ao mesmo tempo com esta juventude que esta se formando com consciência ecologia.