domingo, 12 de outubro de 2014

Festa de Santo Eduardo: nada melhor do que um desfile escolar para resgatar uma tradição...



Nada melhor do que termos de volta um desfile escolar em plena festa de Santo Eduardo, não é mesmo?
Bom, foi o que aconteceu neste sábado (11) no distrito, fato que atraiu a curiosidade de muitos moradores e visitantes que superlotaram a Praça Nilo Peçanha e contou com a participação da Escola Municipal N. S. Aparecida e da Creche Escola Prof, Paulo Freire e seus respectivos alunos e professores, ficando de fora o Colégio Estadual Estefânia Pereira Pinto, o que foi uma pena, diga-se passagem.
Vale ressaltar que os alunos que desfilaram fizeram bonito, apresentando fantasias muito bonitas, representando muito bem o enredo que foi imposto pela Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SMECE), “A multiculturalidade das etnias e manifestações de nossa gente: uma torrente de belezas, riquezas e diversidade.”

Os destaques do desfile foram, ao meu ver, as apresentações da Banda João de Deus, as criancinhas da Creche no carro alegórico, o grupo de capoeira que fez uma linda apresentação e a homenagem a dona Zuleika, ex-professora e uma das que ajudou idealizar a construção do N.S. Aparecida e lá trabalhou por muitos anos.

FURO: como nada sai sempre do jeito que merecemos, o que mais chamou a atenção foi que a narração do desfile teve que ser feita no asfalto com um som improvisado de última hora devido o palco não ter sido liberado porque o som que seria usado nos shows da noite ainda não estava montado, fazendo com que a representante da SMECE e as demais professoras passassem um certo embaraço e dificuldade na narrativa do desfile. Outro fato que chamou a atenção é a falta de efetivo suficiente da Guarda Municipal para ajudar a conter o avanço do público, que tumultuou bastante a evolução do mesmo.


Clique na imagem para melhor visualização

Clique na imagem para melhor visualização

Dona Zuleika, uma das fundadoras do antigo ginásio foi homenageada depois do desfile.

Constrangimento: representante da SMECE teve que fazer discurso no meio da rua porque o palco nem o som não estavam liberados.  



Nenhum comentário: