quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Lágrima da santa vai ser investigada por cientistas

Peritos do ICCE e especialistas de universidades vão analisar imagem de gesso e fotos


A comissão que será instituída pela Arquidiocese do Rio para investigar o ‘choro’ da Nossa Senhora da Conceição, no Leblon, deverá contar com ajuda de peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), cientistas de universidades cariocas, além de especialistas em fotografia. A lágrima teria saído do olho direto da imagem de gesso durante celebração sábado à noite, na Igreja dos Santos Anjos.
Nesta terça-feira, a visitação à “santa que chorou” cresceu 50% em relação ao dia anterior, calculam funcionários da paróquia. Só pela manhã, mais de 100 fiéis foram até lá.
De acordo com o monsenhor Sérgio Costa Couto, 52 anos, mestre em Teologia e em Direito Canônico e um dos maiores conhecedores de causas semelhantes, a colaboração desses profissionais é primordial em fenômenos como o do Leblon, quando se tem como prova apenas depoimentos e fotos.
“Como nenhum vestígio da suposta lágrima para análise foi recolhido na hora, outras minuciosas pesquisas, como pequenas raspagens da face e do olho, terão que ser feitas. Geralmente, dependendo da disponibilidade, esses tipos de profissionais são requisitados”, explica Sérgio.
À espera de Dom Orani
O arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, chega ao Rio de viagem nesta quarta-feira, quando deverá se pronunciar sobre o assunto e, possivelmente, instituir a comissão para apurar o caso.
Monsenhor Sérgio adianta, porém, que a prudência é o fator principal na condução dostrabalhos, que não têm prazo para terminar. “Não vamos sair por aí gritando: ‘É milagre, é milagre!’ A Igreja condena o histerismo. Tudo tem que ser muito bem investigado, com calma, mas também sem morosidade para não se perder a memória dos depoimentos”, pondera.
Depoimentos de crianças submetidos a consenso
Além de colher o depoimento do fotógrafo que fez a fotografia da lágrima no rosto da imagem para a diocese local, o monsenhor Sérgio adiantou que os investigadores terão que “chegar a um consenso” sobre o depoimento das três crianças que viram primeiro o choro da santa (João Victor Ferreira Oliveira, Carolina Matias Barroso, ambos de 11 anos, e Alexandre Pinheiro da Silva, 10).
“Olhando por um lado, crianças são sempre sinceras. Por outro, crianças também costumam ser fantasiosas. Então, terão que equacionar os dois lados e chegar a um consenso”.
Ainda segundo o monsenhor, é até positivo que alguns peritos tenham uma dose de ceticismo e aconselhável que não sejam nem fanáticos nem rejeitem completamente o sobrenatural. “É importante haver isenção de sentimentos”, explica. Para ele, mesmo que não configure milagre, as crianças da diocese receberam um presente de Deus: “Pode ter sido um sinal, num momento de comunhão fraterna, através de Maria Santíssima”.
Fé que faz crer em milagre
A aposentada Wilma Vasconcelos, 80 anos, e a filha, Rosane, 43, foram duas das cerca de cem pessoas que foram ver de perto a imagem de Nossa Senhora da Conceição na manhã desta terça-feira, na Igreja dos Santos Anjos, no Leblon.
“Nossa fé nos leva a acreditar que um milagre realmente aconteceu. Aumentamos ainda mais o fervor pela santa”, disse Wilma.
O suposto fenômeno aconteceu às 18h30 de sábado, durante a coroação de Nossa Senhora da Conceição. Desde então, o assunto não sai das paróquias do Rio.
“O santo sinal que as crianças perceberam está servindo para unir ainda mais os fiéis e despertar os pequeninos quanto às suas responsabilidades como filhos e estudantes”, garante o padre Marcos Belizário.
O Dia

3 comentários:

Anônimo disse...

Talvez o barro estava úmido.

Anônimo disse...

Nossa.. Qta blasfemia vc dizer q o barro estava umido!! Zomba mesmo, depois nao reclame da sorte!

Anônimo disse...

Se Deus é contra a idolatria, como ele vai punir alguém por esse motivo.