quarta-feira, 6 de junho de 2012

Em discurso na Alerj, Deputado Roberto Henriques pede explicações a Rosinha sobre contratos





Sr. Presidente Deputado Edson Albertassi,
Srs. Deputados, servidores da Casa, povo do Estado do Rio de Janeiro que nos
acompanha
pela TV Alerj e, de forma especial, devido ao tema que trago neste momento,
povo de Campos dos Goytacazes, existe um projeto social que é admirado e respeitado
por toda a sociedade campista. Com apresentações internacionais, o projeto
Orquestrando
a Vida, muito bem dirigido pelo professor John Williams e sua equipe de trabalho, é
citado nas principais colunas e cadernos de cultura da grande imprensa.
Esse projeto, o Orquestrando a Vida, teve o apoio negado por parte da Prefeita
Rosinha Garotinho, em situações suspeitas, porque um projeto que recebe o apoio
da comunidade, o apoio dos alunos, dos assistidos, dos atendidos e que têm projetado
músicos para Campos, para o Estado do Rio de Janeiro, para o Brasil, não recebe a
atenção devida do Governo municipal, que vira as costas para o drama pelo qual está
passando essa instituição. E fica surda a Prefeita diante da opinião pública do conjunto
da sociedade civil de Campos dos Goytacazes que dá total e irrestrito apoio a esse
projeto.
Por que eu digo que é suspeita essa negativa? Porque, talvez, a forma independente
e soberana desse projeto social não vai ao encontro dos interesses eleitoreiros
e politiqueiros que muitos convênios, celebrados pela Prefeitura da Prefeita Rosinha,
têm no Município de Campos dos Goytacazes.
Agora, se os senhores estão assustados e a população de Campos está perplexa
com a negativa, com o abandono, com o desdém e a falta de apreço por um
projeto social tão importante como o projeto Orquestrando a Vida, os senhores e as
senhoras
vão ficar mais perplexos ainda. A Prefeita Rosinha Garotinho acaba de contratar,
com dispensa de licitação, a organização Sociedade Artística e Cultural Filarmônica e
Filarmônica do Município de Vitória, Capital do Espírito Santo, por dois milhões e vinte e
dois mil reais. Essa contratação teve como objeto a seleção de músicos ainda em
formação
para a Filarmônica de Campos dos Goytacazes.
Vejam bem, já são estranhas as ligações da Prefeita Rosinha Garotinho com
a empresa do Espírito Santo, que é a responsável em Campos por um gordo contrato,
recebendo milhões do sagrado dinheiro do povo de Campos dos Goytacazes para cuidar
dos jardins e praças públicas. Aliás, já denunciei essa empresa e essa relação da Prefeita
Rosinha com a empresa aqui desta mesma tribuna dias atrás.
Essa empresa de ajardinamentos e de conservação de praças é aquela empresa
cujos proprietários estão presos no Espírito Santo por formação de quadrilha no
Município de Presidente Kennedy. E o mais grave: o gerente dessa empresa de
ajardinamento
em Campos dos Goytacazes é esposo da Sra. Aymê, Secretária Particular da
Prefeita Rosinha Garotinho, DAS-1 da Prefeitura de Campos.
Que ligações são essas com o Estado do Espírito Santo? Ora, dona Rosinha,
a senhora, como evangélica, deveria ter mais respeito pelo Espírito Santo porque
segundo
os teólogos e doutores do cristianismo é o único pecado que não tem perdão: o
pecado contra o Espírito Santo. Então, além de trazer essa empresa de ajardinamento
através de um contrato milionário pelo sagrado dinheiro da população, com ligações
suspeitas,
com gente suspeita, o gerente local dessa empresa é o esposo da secretária particular
da Prefeita Rosinha Garotinho.
Agora, rejeitando o projeto Orquestrando a Vida, que não recebe nenhum
apoio; nenhum respeito; nenhuma consideração da Prefeita Rosinha Garotinho, da sua
administração, em vez de apoiar esse projeto, que atende jovens, adolescentes, crianças
carentes do Município de Campos, muito bem aprovado, com as contas aprovadas pela
Controladoria Geral do Município, realizam um contrato de mais de dois milhões com a
Sociedade Artístico e Cultural Filarmônica & Filarmônica da Capital do Espírito Santo,
Vitória. Como se não bastassem as ligações suspeitas com a empresa do Espírito Santo,
que cuida das praças e jardins, agora há mais uma ligação suspeita através dessa
Filarmônica
& Filarmônica.
Ora, Prefeita, o custeio do Orquestrando a Vida, do Jony William, que tem a
aprovação e o apoio do povo de Campos, é de 85 mil reais por mês. E a senhora realiza
um contrato com uma empresa de mais de dois milhões de reais, com dispensa de
licitação. Então, isso é porque a Prefeita Rosinha Garotinho perdeu o respeito pelo povo
de Campos e por suas tradições históricas. Campos é uma terra de ricas tradições, no
que tange à produção de artistas; no que tange à riqueza pelos distritos e pela sede do
Município, das grandes bandas de música. Oh, Prefeita, talvez a senhora desconheça
que na lira de Apolo, como monumento a sua incompetência e de outros administradores,
está lá caindo aos pedaços, o grande músico brasileiro Carlos Gomes, que esteve
presente em visita a Campos dos Goytacazes.
Portanto, quero aqui, como Parlamentar, e por dever de ofício defensor do
povo de Campos e do povo do Estado do Rio de Janeiro, falar da triste iniciativa da
Prefeita em contratar a Sociedade Artístico Cultural, Filarmônica & Filarmônica, do Estado
do Espírito Santo, por mais de dois milhões e deixar à míngua um projeto exemplar,
como o Orquestrando a Vida, de Campos dos Goytacazes.
Pecado contra o povo, Sra. evangélica, Rosinha Garotinho, pecado contra o
Espírito Santo. O pecado contra o Espírito Santo e contra o erário público não tem
perdão.
Muito obrigado, Sr. Presidente.

Nenhum comentário: