domingo, 19 de junho de 2011

Saerjinho: 71% dos alunos tiraram até 3,3 em Matemática

Saerjinho teve resultado abaixo da crítica, em escala de zero a 10, entre estudantes do 1º ano do Ensino Médio da rede estadual. Só 1% conseguiu nota acima de 6,7


O estado que pretende saltar do penúltimo lugar para, pelo menos, a 5ª posição no Ideb — índice que mede a qualidade do ensino brasileiro — até 2014, terá que correr contra o tempo. Os resultados do Saerjinho, primeiro simulado bimestral aplicado na rede estadual, em abril, revelam que 71% dos estudantes do 1º ano do Ensino Médio obtiveram no máximo 3,3 em Matemática, numa escala de zero a 10. Só 1% dos alunos desta série acertou mais de 6,7 questões.

Em Português, o desempenho é um pouco melhor: 25% dos estudantes tiraram nota vermelha; 67% ficaram na faixa amarela, entre 3,4 e 6,6, considerada regular, e somente 8% obtiveram boas notas, acima de 6,7. O desempenho em Matemática melhora no 2º e 3º anos do Ensino Médio, mas só porque os mais fracos abandonam o estudo.


Clique na imagem para melhor visualização
Escolas mais fracas receberão apoio

Escolas que tiveram desempenho fraco no Saerjinho vão receber material pedagógico de apoio para reforçar o ensino de Português e Matemática. O subsecretário de Gestão da Rede e de Ensino, Antonio Neto, disse que serão feitas visitas em todas as diretorias regionais, para apresentar os resultados das avaliações a professores de Língua Portuguesa e Matemática. Segundo ele, a avaliação também ajudou a derrubar um mito: o de que escolas em áreas conflagradas têm os piores resultados. Das 84 unidades, só 10% obtiveram os resultados mais baixos.

Ensino integrado foi melhor

Alunos de escolas de Ensino Médio Integrado, como o Nave, na Tijuca, e o Nata, em São Gonçalo, voltadas para o mercado de trabalho, se saíram melhor no Saerjinho que estudantes de unidades de ensino regular. “É outra dinâmica. Eles colocam o conhecimento em prática e todas as matérias são direcionadas para ensinar uma profissão”, diz o secretário Risolia. 

O exame também revelou que mais tempo na escola melhora o desempenho dos alunos. De novo, a avaliação confirma que as escolas estaduais do interior fazem melhor o dever de casa do que as unidades da Região Metropolitana.

POR MARIA LUISA BARROS - O Dia

Nenhum comentário: