sexta-feira, 21 de maio de 2010

Vacina contra H1N1 pode dar falso positivo para HIV, diz Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta sexta-feira (21) que as pessoas que tomaram a vacina H1N1, contra a nova gripe, podem ter resultado positivo para HIV mesmo sem ter o vírus que provoca a Aids. Segundo a agência, o falso resultado positivo pode ocorrer até 112 dias após a pessoa ter se vacinado contra a gripe.

O falso resultado acontece porque a vacina contra a gripe aumenta a produção de um anticorpo, chamado de IgM (o primeiro batalhão de defesa do organismo), que “engana” o Elisa, o teste mais comum feito no Brasil para diagnosticar o vírus da Aids. Essa reação faz o organismo reproduzir uma condição parecida com aquela de quem tem o vírus HIV.

A técnica Lílian Inocêncio, responsável pela área de Laboratórios do Departamento de Aids do Ministério da Saúde, disse que o procedimento padrão da rede pública de saúde em casos de resultado positivo para HIV já é fazer a contraprova por meio de outro tipo de exame, o Western Blot, mais caro.

A vacina contra H1N1 não oferece nenhum risco de transmissão de HIV

Segundo a Anvisa, não há motivo para pânico. “Ninguém precisa se preocupar porque nenhum paciente vai receber o resultado positivo sem que seja feita a contraprova”, afirmou Lilian. De acordo com ela, nenhum paciente é informado de que tem o vírus HIV sem que seja feita antes a contraprova.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (21) no Rio de Janeiro, o ministro da Saúde José Gomes Temporão alertou sobre o falso resultado positivo.

“Quando acontece esse falso positivo, que são casos raros, qual é a consulta? É muito simples: isso só acontece dentro de 30 dias a partir do momento que a pessoa tomou a vacina. Dando positivo, ela vai refazer esse teste, com um teste mais sofisticado, e esse vai dar, com certeza, se ela é positivo ou não”, afirmou. Ele fez questão de esclarecer que a vacina contra H1N1 não oferece nenhum risco de transmissão de HIV.

Problema incomum, mas sem gravidade
“Não é comum essa reação cruzada, esse encadeamento de falsos-positivos [quando um teste diz que a pessoa está doente, mas ela não tem nada] por geração de anticorpos para vírus tão diferentes, o H1N1 e o HIV”, aponta Edecio Cunha-Neto, chefe do Laboratório de Imunologia Clínica e Alergia da USP.

“No limite, o que acontece com a produção industrial em ritmo acelerado da vacina contra a nova gripe é que, se a quantidade de adjuvantes, os componentes que potencializam a ação da vacina, estiver um pouco acima, pode fazer a resposta imunológica ter uma reatividade cruzada: acabar dando positivo para várias outras coisas.”

“Não tem nenhuma gravidade, do ponto de vista que a pessoa não está realmente infectada, mas a contraprova é importante”, diz Cunha-Neto.

G1

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá e para quem tem o virus do papilomano ( hpv)o que acontece ela acaba tendo ovirus hiv.

emerson disse...

Anvisa admite:efeitos da vacina H1N1 desconhecidos

Com a divulgação de que a vacina contra H1N1 poderia causar resultados falso-positivos em testes para detectar o HIV (entre outros), veio a tona o que o Ministério da Saúde vem tentando negar desde o começo desta campanha de vacinação: nem eles sabem os possíveis efeitos adversos que esta vacina pode causar.

Vejam o porque:

Na Nota Técnica Nº 02/2010 (GGSTO/DIDBB/ANVISA) pode-se ler:

Considerando que:

2. A produção industrial de vacinas contra influenza pandêmica A (H1N1) tem sido realizada de forma acelerada, com a utilização de novas tecnologias de produção e adjuvantes, por tratar-se de uma pandemia e de uma situação de emergência em saúde pública, não havendo, atualmente, dados disponíveis sobre todos os efeitos adversos possíveis.

Deste parágrafo da nota, podemos tirar duas conclusões que expõem várias mentiras divulgadas pelo ministério da saúde e seus mercenários on-line:

* Não se conhece os possíveis efeitos adversos que esta vacina pode causar.

Sendo desconhecido todos os efeitos adversos, como então podem concluir que a vacina é segura? Como podem descartar as mortes, abortos e problemas sérios ocorridas após a aplicação da vacina se não conhecem todos os efeitos adversos?

* A vacina contra o H1N1 utiliza novas tecnologias de produção e adjuvantes

O ministério da saúde vem afirmando, desde o início da campanha, que o processo utilizado na fabricação da vacina H1N1 é o mesmo das vacinas sazonais, e que por isto mesmo a vacina H1N1 seria segura, mesmo que tivesse sido desenvolvida e fabricada em tempo recorde. Nesta nota, o Ministério da Saúde admite que isto não é verdade.

Está na hora do Brasil acordar para o fato de que as autoridades da saúde não estão trabalhando no melhor interesse da população brasileira. Foi ocultado da população durante 7 meses que a vacina poderia causar falso positivo para exame de HIV (esta informação estava disponível no site da GSK desde outubro de 2009). Por uma ironia do destino, a divulgação desta informacão agora prova de forma incontestável que temos sido enganados e que esta vacina pode ter efeitos colaterais desconhecidos. Temos que exigir que todos os casos de efeitos adversos sejam divulgados publicamente, e que todos os casos sérios sejam revistos, já que a política atual é de negar a relação causal da vacina e dos efeitos adversos.

Fontes:

Nota Técnica Nº 02/2010 (GGSTO/DIDBB/ANVISA)

http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home/sanguetecidoorgaos?cat=publicacoes+e+apresentacoes&cat1=com.ibm.workplace.wcm.api.WCM_Category/Notas+Tecnicas/2997a6004239cf6a81e5fd01cce3dc94/PUBLISHED&con=com.ibm.workplace.wcm.api.WCM_Content/Nota+Tecnica+No+02+2010++GGSTO+DIDBB+ANVISA/d0bda80041b35fbeba95ff255d42da10/PUBLISHED&showForm=no&siteArea=Sangue+Tecidos+e+Orgaos&WCM_GLOBAL_CONTEXT=/wps/wcm/connect/Anvisa/Anvisa/Inicio/Sangue+Tecidos+e+Orgaos/Publicacao+Sangue+Tecidos+e+Orgaos/Nota+Tecnica+No+02+2010++GGSTO+DIDBB+ANVISA

PS: URL acima bem amigável ;)

Artigo original:

http://www.anovaordemmundial.com/2010/05/anvisa-admite-nao-saber-todos-os.html

Site da GSK com a informacao:

http://health.gsk.com/hcp/H1N1Vaccine/safety.htm

Ministério disse...

Emerson,
A Nota Técnica em questão é verdadeira. Trata-se de um aviso aos serviços de saúde, alertando para a necessidade de investigação contraprova após 30 dias, no caso de pessoas que tomaram a vacina contra H1N1 e tiveram resultado positivo no exame de detecção de anticorpos contra HIV.

Não há motivo para alarme neste comunicado. O problema seria se o exame indicasse falso-negativo, o que não é o caso.

A possibilidade de ocorrência do falso-positivo para HIV, após a vacinação contra H1N1, conforme explica a Nota, está ligada aalterações nos níveis de anticorpos IgM, que interferem no resultado do exame.

O falso-positivo não ocorre em todos os exames de HIV pós-vacinação contra H1N1, mas apenas em uma pequena parcela. Nos casos em que houver resultado positivo, a orientação do Ministério da Saúde, por meio da Coordenação de DST/AIDS, é que ainvestigação seja feita com uso de outro teste, denominado Western Blot, e também que o paciente seja reconvocado para colher nova amostra de sangue após 30 dias. A investigação do diagnóstico nestes casos deve permanecer até a obtenção de um resultado definitivo.

Para as pessoas que se vacinaram a doaram sangue neste período da campanha, e cujo resultado sorológico tenha dado positivo para HIV, permanece a mesma recomendação acima, e o sangue doado será submetido aos procedimentos de segurança já adotados pelos bancos de sangue.

O Ministério da Saúde reitera a importância de que os grupos prioritários tomem a vacina contra H1N1 até a próxima sexta-feira, quando se encerra a última etapa da campanha.

Mais informações:
fernanda.scavacini@saude.gov.br

Atenciosamente,
Ministério da Saúde