segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Tragédia silenciosa em Bom Jesus de Itabapoana


Artigo do Site: plurale.com.br

Há acontecimentos, tragédias como a da Região Serrana que, pelas suas dimensões, acabam mobilizando milhares de pessoas em torno de uma (boa) causa – ajudar os necessitados, salvar vidas, aliviar a dor de quem ficou. A internet já mostrou seu potencial para denunciar governos, expor mazelas acobertadas por bandeiras ideológicas e unir pessoas em prol de um ideal. Mas há tragédias sorrateiras, que não ganham as manchetes dos jornais, que vão matando aos poucos e, quando a população se dá conta...centenas de mortos, um rastro de tristeza e famílias inteiras à beira do colapso.
Uma dessas tragédias silenciosas está acontecendo em Bom Jesus do Itabapoana, pequena cidade ao norte do Estado do Rio de Janeiro. Não se trata de uma tromba d’água, tsunami nem uma enchente de grandes proporções, mas um mosquito que, há tempos, vem desafiando médicos e especialistas. Bom Jesus está sofrendo com a dengue. Dezenas de mortos, dentre eles crianças e adolescentes, que não viram estatística porque a voz dos sofridos não alcança os megafones públicos.
O hospital da cidade está à beira do colapso, na iminência de fechar as portas; médicos ficam sem dormir tentando salvar vidas; casos “menos graves” têm sido rejeitados, por absoluta falta de estrutura e/ou ajuda do poder público. É como se toda uma população fosse sendo esquecida aos poucos, abandonada pela sua pequenez. Como se a vida de uma criança ou de um senhor de 80 anos, cheio de vitalidade e saúde, que sucumbe à dengue hemorrágica, não fossem importantes para o resto da sociedade.
Os relatos são apavorantes – mães que escondem os filhos dentro de casa por medo de os perderem. Filhos que vêem os pais padecerem, sangrando pelos poros, largados em macas no meio dos corredores do hospital. Sangue, tristeza, desespero, esquecimento.
A prefeitura, dizem os médicos, só se mexeu para mandar circular carros jogando fumaça de diesel queimado – não há verba para o tal fumacê. Nem vontade política. Porque a tal doença só pode ser comprovada quase um mês depois de feito o exame. Um mês depois do enterro, porque as vidas estão escorregando entre os dedos dos médicos. Infectologistas, cirurgiões, todas as especialidades se misturam numa força-tarefa para salvar alguns – porque salvar todos é impossível. Segundo relatos de especialistas da cidade, quase 50% da população – de 30 mil habitantes – está com dengue ou com sintomas de. E nada. A grande mídia não se manifesta. Não há movimentos nas redes sociais. Não há um chamariz porque a dengue não é sedutora. É feia. É suja. É pobre. É culpa de quem não fez a sua parte, cobrindo piscinas ou jogando fora água parada.
Neste caso, no entanto, culpar alguém não adianta. É preciso fazer alguma coisa, mesmo que seja gritar. Em nome do pobre doutor Luciano, diretor da mais conceituada escola da cidade, que dedicou sua vida – saudável e vibrante - a ensinar e que acabou falecendo, perdendo a vida para a mais besta das doenças, culpa de um mosquitinho de nada. Assim como ele, vítimas pobres, moradoras de bairros menos favorecidos, vão se juntando a uma lista indigente, de pessoas que...ora, só estavam no lugar errado na hora errada! Afinal, quem pode controlar o bater de asas de um mosquito irreverente que já virou fantasia de carnaval?
A existência da dengue – e de sua versão mais agressiva, a hemorrágica - não é novidade para ninguém. Não vende jornal, não vira manchete. Não é chamariz de palanque, não merece “trendar”. Enquanto isso, a adolescente agoniza no leito do hospital, com médicos correndo como loucos, tentando salvar aqueles que o estado já desistiu de ajudar. Pior: nem tentou.
Por que não gritar? Nenhuma vida é menos importante que a outra apenas porque está longe das vistas do morador das grandes cidades. E os Bonjesuenes ausentes, como eu, choram pela morte dos seus. Pedindo apenas um pouco de atenção. Tentando arrumar uma forma de tirar a família da área de risco. Sim, Bom Jesus se tornou um grande vale de risco de morte.
Não pedimos queda de prefeito nem revolta contra governos. Só pedimos o que é nosso direito – não ver nossos queridos morrendo à toa, sangrando pelos poros.







Elis Monteiro é jornalista e Bonjesuense

Nenhum comentário: